Mas a grande pergunta a fazer é, evidentemente:
Quando amamos alguém, ou melhor, nos apaixonamos por alguém, por que é que nos apaixonamos verdadeiramente?
É uma ideia da pessoa amada, ou é a pessoa propriamente?
Talvez só sejamos capazes de viver com as nossas ideias. Talvez sejam sempre as nossas ideias que amamos.

 

A Morte de um Apicultor, Lars Gustafsson.

Crê no escaravelho dentro do feto.

Paul Celan

 

Se bem te recordas, prefiro o Inverno, aqui há poucas árvores, aguento mal o calor. Não te esqueças de mim. Sou eu ainda, segura na minha tristeza. Não entro no mar, observo-o ao longe. Engordei cerca de 7 kg, a minha filha nasce brevemente. Afasto-me das mulheres que falam muito, eufóricas, dizem tudo ser maravilhoso. Não é. Não acredites. Pelo monte, subíamos a arder, o vento fazia o seu ninho, a neve começava a tapar os caminhos. Preparei tudo para a sua chegada. Um coração novo. Uma fome selvagem. Os choupos, folhas largas e verdes, cresceram sós, estão fortes. Pior tem sido a falta de chuva. O tempo perdido em lojas a escolher, fico tão confusa no meio de tantos produtos e marcas. Ouvir recomendações, opiniões sem que as peça. Preparei tudo, menos a tua ausência. O nevoeiro permitia conhecer a respiração. Bastava um sopro branco. Calai-vos. A Terra receberá todas as vossas línguas.